quinta-feira, 5 de março de 2009

Santiago Ecologicamente Correta



Santiago já algum tempo está iniciando um processo novo de despertar. Refiro-me a criação de uma identidade cultural diferenciada dos outros 495 municípios do Rio Grande. A imagem de Terra dos Poetas gradativamente vai desmistificar aquela negativa que afirma que todos somos bandidos ou ladrões. Embora venha desde os anos 80 com o Calçadão da Poesia e agora com a Rua dos Poetas, mudar uma identidade não é fácil.
Acompanhei de longe a discussão da criação ou não de uma Secretaria de Cultura em nosso município. Sem sopesar os amigos que são favoráveis e os que são contrários a idéia. Penso que deve ser criada. Tudo que puder somar em questões culturais é válido, independentemente do que seja. Ainda mais na região que estamos.
Cultura não é algo simples e fácil de explicar em palavras, do mesmo jeito que a criação da Secretaria de Cultura também não o é, pois passa por níveis filosófico-culturais e subjetivos de cada um. É como discutir o sexo dos anjos, futebol, política e religião, nunca se chegará a algum consenso num grupo de 3 pessoas, por exemplo. Por isso vivemos um país democrático, onde a Carta da República outorga o poder emanado do povo para seus legítimos representantes escolhidos através do sufrágio.
Dito isso, ninguém melhor para por fim nesse imbróglio do que o Chefe do Poder Executivo, o senhor prefeito municipal.
Ele que tem a caneta na mão. Ele decide. Ele que sabe. Quando se vai ao circo não adianta falar com os palhaços. Tem que falar com o dono.
Logicamente que ele não será contrário, porque é bem intencionado, capacitado e quer mais do que ninguém desenvolver o município. Talvez ai esteja uma grande oportunidade. Melhor, inédita.
Aproveito essa postagem para dizer que Santiago pode dar outros exemplos para o Estado, além de ser a primeira em Cultura futuramente – ( com por ex: com projeto “Santiago do Boqueirão Seus Poetas Quem São” e outros tantos) pode ser a primeira Ecologicamente Correta – ( tenho três projetos em ralação a isso) e ai vai o primeiro seguindo o programa do Green Building Council Brasil, chamado One Degree Less (Um Grau a Menos) – que visa diminuir a temperatura do planeta e o consumo de energia elétrica em grandes centros urbanos, apenas mudando a configuração dos telhados(pintando de branco). O que nada impede de ser aplicado em centros menores como a nossa querida Província. Logicamente que passa pela boa vontade e o senso de cidadania global de cada cidadão individualmente, todavia existem milhões de maneiras do Poder Público dar incentivo, até mesmo com redução de IPTU.
Para implementar a idéia é fácil!
Cobertura Refletiva: é a solução mais fácil, basta pintar o telhado ou a cobertura de uma edificação com uma tinta refletiva, diminuindo em até 30 graus a temperatura da superfície pintada num dia de verão.Estudos realizados pela Environmental Energy Tecnology (Tecnologia da Energia Ambiental) dos USA, mostram que revestimentos brancos são capazes de reduzir entre 70 e 80 por cento a energia solar. (além de diminuir o calor no próprio imóvel)
Teto Verde: é uma medida ideal para grandes edifícios, consiste no plantio de um jardim recobrindo todo o telhado. A vegetação tem um grande poder de absorção da energia solar e a água da chuva torna todo o ambiente ao seu redor mais fresco.
Essas medidas são mais vantajosas para aqueles que não têm nenhum tipo de “sombra verde” sobre seus telhados, e quem implantar com certeza vai sentir a diferença, pois, com o telhado refletindo mais a luz do sol, menos a cobertura irá esquentar e mais agradável será a temperatura no interior da edificação.
Para mais informações acesse o site e veja o estudo cientifico no qual se baseiam as vantagens, que vão desde redução do calor da residência e economia em ar condicionado, até a redução da temperatura do planeta.
Fontes:
http://onedegreeless.org/home/home.html
www.flickr.com/photos/conras/3237282407/
www.geekpress.net/?p=8

2 comentários:

qualygraf disse...

ótima idéia, e porque não começar com a criação de uma centro de cultura ou teatro, sei lá que nome seria mais apropriado, mas feito na praça central, como exemplo p/ população e um novo cartão postal da cidade.

ponto 50. disse...

Ótimo!!! boa idéia!!!