terça-feira, 11 de março de 2008

A quarta jornada de trabalho.







Você trabalha 8 horas por dia? Você trabalha 12 horas por dia? Você trabalha um, dois ou três turnos? Perguntas interessantes não é? Já disse o profeta que é o trabalho que dignifica o homem. Dignifica quem mesmo? O homem. E as mulheres como ficam? Indignificadas? Que mundo machista. Todavia, como não poderia ser diferente, na véspera do dia internacional da mulher, o assunto do momento é esse ser fabuloso em todos os sentidos. Todo ano é a mesma coisa. Parabéns para elas no dia 8.

Mas será que o seu dia só é comemorado por causa dos protestos de 8 de março de 1857, quando lutavam contra os baixos salários e péssimas condições de trabalho ou sobre a controvérsia do incêndio na fábrica Triangle Shirtwaist que teria matado 129 mulheres ou ainda pelo movimento feminista da década de 60. Dúvidas que permanecem.

O que é certo é o pensamento do filósofo, se o homem fosse mais forte que a mulher, Deus o teria escolhido para ser mãe. Quem não tem mãe que atire a primeira pedra. Claro que poderíamos citar imensuráveis qualidades da mulher, ainda mais agora que seu dia especial se avizinha.

Porém, penso que nenhuma qualidade é maior do que sua histórica dedicação para a família, filhos, marido e claro, a casa. Acontece que, hoje em dia, a mulher moderna já é a “chefe” da família, trabalha igual ao homem na maioria das vezes, e chegando em casa continua com os velhos afazeres, filhos pequenos ou grandes, maridos tarados ou não e casas sujas ou não.

Parece-me ser esse o maior mérito da mulher do século XXI. Faz tudo que nós homens fazemos, com mais cuidado e delicadeza, ganha menos e ainda independente de quantas horas já trabalhou obrigatoriamente ingressa na longa e dura quarta jornada de trabalho.

Um comentário:

Liagreice de Medeiros disse...

Adorei, Rodrigo!!
é tao dificil um homem valorizar as inúmeras jornadas de trabalho das mulheres...
Está de parabéns!!
Grande abraço, sucesso
Greice